23.8C
Canudos, BR
sexta-feira, 29 de maio de 2020
Canudense
Atletismo

Ouro e recorde olímpico para Thiago Braz da Silva no salto com vara

O Paulista quebrou jejum de vitória mais recorde que Brasil não comemorava desde Joaquim Cruz

“As pessoas acreditaram em mim, estavam do meu lado me apoiando. Poder completar uma prova com recorde pessoal e recorde olímpico, ganhando medalha de ouro… É inexplicável”, assim, Thiago Braz escrevia o mais recente capítulo da história do atletismo brasileiro, após conquistar o ouro no salto com vara nesta segunda-feira.

O sentimento de Thiago pode ser inexplicável, mas a sua vitória, que foi também a quebra de um recorde olímpico ao atingir a marca de 6,03, tem o esforço e o preparo do atleta como explicações essenciais. Seu treinador, o ucraniano Vitaly Petrov, é o mais respeitado técnico de salto com vara do mundo. Em seu currículo estão o treinamento da russa Yelena Isinbayeva, a brasileira Fabiana Murer e o ucraniano Sergei Bubka, o maior saltador com vara de todos os tempos. A vitória de Thiago Braz coloca o atletismo brasileiro em um novo patamar.

O reconhecimento do trabalho do atleta é à altura do seu recorde. “Quem olha para o Thiago saltando vê Serguei Bukba pulando”, afirmou o próprio Bubka em uma entrevista para a Istoé 2016 no ano passado. “A mesma maneira de correr, o mesmo jeito de se movimentar. Ele faz tudo como eu fazia”. O último recorde de Bubka foi atingir a marca de 6,14 metros em um mundial. Em uma Olimpíada, a maior marca é a recente conquista de Thiago.

A última vez que o Brasil havia subido ao pódio no atletismo, uma das áreas mais cultuadas dos Jogos, havia sido com Maureen Maggi no salto em distância, em Pequim 2008. O último ouro olímpico no masculino o jejum era ainda maior: foi há 31 anos, quando Joaquim Cruz triunfou nos 800 metros da Olimpíada de Los Angeles. Tratando-se de provas de campo (que englobam saltos, arremesso e lançamentos), essa é a primeira medalha máxima desde que Adhemar Ferreira da Silva foi campeão no salto triplo na Olimpíada de Melbourne, em 1956.

Se Thiago Braz seguir fazendo tudo como Sergei Bubka fazia, o Brasil pode se preparar para as medalhas nas próximas competições: Bubka tem seis vitórias consecutivas no Campeonato Mundial de Atletismo e quebrou nada menos que 35 recordes mundiais. “Em um ano ou dois, acho que podemos bater o recorde mundial. É importante a partir do primeiro treino agora esquecer que ele é campeão olímpico”, disse Petrov ao Globo Esporte.

 

Elpais

Posts relacionados

Deixe um comentário - Os comentários não representam a opinião deste site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

O Portal Canudense é o maior e mais completo portal de notícias, entretenimento, esporte e cultura da região. O mundo é Aqui!